Portal Terceira Idade - home Prefeitura da Cidade de São Paulo Telecentros - Prefeitura de São Paulo
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Espaço Livre
Espaço Livre

Poesias

voltar à página anterior

Título/Texto Autor Postado E-mail
LAMENTOS E... EXTASE!

A abelha pousa na flor
Sem o pólen massacrar,
O homem fustiga o amor,
Sem nem ao menos pousar!

O passarinho faz o ninho
Sem a natureza incomodar,
O homem, sendo mesquinho,
Faz sua poluição imperar!

A formiga faz seu lar
Em união e eqüidade,
O homem, a rapinar...
Direitos e igualdade!

Até o animal predador
Satisfaz-se com a fartura,
O homem, em seu rancor,
Só para na... Sepultura!

O equilíbrio da vida
Tem por base o amor,
Sem disputa renhida
E sem almejar penhor.

Nem Jesus envelheceu
Neste mundo nefando,
Veio amar e... Morreu!
Como se estivesse pecando!

Pregou o eterno paraíso
Longe dos meandros terrenos,
Profetizou o dia do juízo
Com julgamentos serenos.

Homens insensatos!
Copiem dos animais,
Não sejam ingratos...
Acatem os seus iguais!

Às vezes fico a cismar
Com os olhos marejantes,
Pesquiso o éter a sonhar
Em lamentos constantes.

Procuro a liberdade,
Nas dobras do infinito,
Perco-me na eternidade
Sem ecos do meu grito.

Com as lágrimas fluindo,
Vejo as estrelas perenes,
Quais diamantes sorrindo
Em almofadas solenes.

Navego na orla da vida
Em escaramuça da sorte,
Minha fé... É dolorida!
Só terei valor na morte.

Em minha vida corre morna
A esperança da liberdade.
No mundo sou uma bigorna
À mercê de vil crueldade.

Soluça minha alma triste
Neste planeta de ilusões,
Frágil flor que existe,
Pendente de mil perdões.

Lamenta minha triste alma,
Entre as quimeras da vida,
Na onda do mar sem calma,
Em oceanos sem guarida.

Vagueia minha alma sofrida
Entre os meandros da paixão,
Com a fronte sempre erguida
Liderada pelo meu coração!

Lamento o humano peregrinar,
Almejo a fartura no carinho,
Respiro a injustiça abrangente,
Sofro um mesquinho carinho.

Felicito o saltimbanco sem raiz,
Almejo a ponte/união recomposta,
Encontro muros das elites do país!
Sofro a injustiça a mim imposta...

Lamento os pés descalço dos favelados,
Almejo fraternal abraço entre os seres,
Encontro trincheiras de desesperados,
Sofro açoites de desinteressados próceres

Lamento as chagas dos pedintes,
Almejo linimento para os enjeitados,
Encontro os labirintos dos requintes,
Sofro a ausência dos premiados...

Lamento os seguidores do Mal,
Almejo o equilíbrio entre nações,
Encontro à fluidez de amor formal,
Sofro a esperança das premiações...

Lamento o leme em mãos venais,
Almejo um comandante capaz,
Respiro o brotar da felicidade,
Encontro os caminhos terminais.
Sebastião Antônio Baracho 27/04/2006 envie um e-mail para o autor

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
em parceria com os Telecentros e a Prefeitura do Município de São Paulo
©Todos os direitos reservados - 2005/2006
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Kuantika Multimídia