Portal Terceira Idade - home Prefeitura da Cidade de São Paulo Telecentros - Prefeitura de São Paulo
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Espaço Livre
Espaço Livre

Mensagens

voltar à página anterior

Título/Texto Autor Postado E-mail
A mudança

Após a leitura de alguns livros, revistas, documentários, mensagens, textos de profissionais de diversas áreas e minhas próprias conclusões a respeito do assunto, tentarei escrever alguma coisa sobre mudança, pois me encontro no dilema "mudar ou não".
"As pessoas vivem querendo mudar; mudar de roupa, de casa, o tom da tinta do cabelo, de carro, de vida, de emprego, de marido e até de planeta. Tudo para ver se a situação melhora um pouquinho. A verdade é que o ser humano parece nunca estar satisfeito com o que tem ou que não se conforma com sua condição. É aquela estória de sempre dizer " eu era feliz com tal coisa e não sabia". Ou seja, é o fato de nunca curtir o momento presente. Mas isso é outra estória.
Se queremos mudar por onde começar? Por dentro ou por fora?
A mudança é mais emocional ou racional?
O que está nos incomodando? É ter que vestir uma roupa que não gostamos, um emprego monótono e sem perspectiva de melhora, nossa aparência física ou nossa maneira de pensar e agir, nosso relacionamento amoroso, nossa convivência com os filhos. O que afinal nos leva a querer mudar?
Li um texto que dizia" mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade. Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa.Mais tarde, mude de mesa. Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua. Depois, mude de caminho, ande por outras ruas, calmamente,observando com atenção os lugares por onde passa. Tome outro ônibus. Mude por uns tempos o estilo das roupas. Dê os seus sapatos velhos. Procure andar descalso alguns dias..."
Será assim tão fácil e simples?
Hoje a palavra mudança faz parte da modernidade, é bem comum e significa melhorar de vida, progresso, ascensão, coragem.Hoje o empregado não tem mais estabilidade, como não pensar em mudar?
Mudar de parceiro, também, não estamos satisfeitos, nos contrariamos, pensamos logo em um novo relacionamento.
Não estamos contente com a nossa aparência, procuramos logo um cirurgião plático, para rapidamente resolvermos nosso problema ou nossa insatisfação.
Teremos que manter um relacionamento que sabemos que só nos prejudica para pensarmos melhor, com calma e no que fazer?
Estas mudanças rápidas não exigiram tempo, disciplina, cumprimento de etapas e vigília constante,porém poderíamos deixar de passsar por estas etapas sem nos prejudicarmos?Que sentimentos nos levam a mudar?raiva, falso orgulho, pessimismo, arrogância, pânico, insegurança, medo, ansiedade.São sentimentos negativos que só nos prejudicam.
Por isto "se você acha que tem que mudar, então mude, porque mudar é preciso".
Wanda Maria Lazaro Fragoso Dantas 06/12/2006 envie um e-mail para o autor

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
em parceria com os Telecentros e a Prefeitura do Município de São Paulo
©Todos os direitos reservados - 2005/2006
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Kuantika Multimídia