Portal Terceira Idade - home Prefeitura da Cidade de São Paulo Telecentros - Prefeitura de São Paulo
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Espaço Livre
Espaço Livre

Poesias

voltar à página anterior

Título/Texto Autor Postado E-mail
Cinzas do Holocausto

Cinzas do Holocausto
Oriza Martins

"Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me, Vós, Senhor Deus!
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus?!"
(Castro Alves - Navio Negreiro)

Banalidade do mal,
Um retrocesso, imoral,
Pensou a Poeta, um dia...
E veio à tona o temor
De, ante tanto desamor,
Não haver mais poesia.

Como pensar poesia
(Que a luz humana irradia),
Diante de tal horror?
Tormento que assola a gente,
Que torna o ser impotente,
Perplexo, puro estupor?

Como entender tanta injúria,
Tanta atividade espúria,
Maldosa, feroz, insana?...
A revelação mais dura
Da face mais obscura
Da natureza humana...

Quantas ilusões perdidas,
Infâncias interrompidas,
Esperanças decepadas...
Quantas lúbricas medidas
Transformando sobrevidas
Em almas atormentadas...

Infelizmente herdamos
Todos nós, que aqui estamos,
Esse espólio de maldade.
Como vítimas de um Fausto
Sobre as cinzas do Holocausto,
Caminha a Humanidade.

Mas podemos, conscientes,
Eliminar as sementes
Que a intolerância traz.
Acabar com toda guerra,
E reinventar a Terra,
Dar-lhe um futuro de paz...

Semear fraternidade,
Colher só felicidade
E combater toda dor...
Abrir coração e mente,
Batalhando, simplesmente,
Nas trincheiras do amor...

Defender a liberdade
Não deve ser, em verdade,
Mera preocupação.
Combater a injustiça
Tem de ser uma premissa,
Verdadeira obsessão.

O inferno do Holocausto,
Algoz, fruto da infâmia,
Não pode ser repetido!
E justamente por isso
Não pode - e não deve - ser
Nunca, jamais, esquecido!

fev/2007

Veja o poema em edição especial neste link:
http://www.orizamartins.recantodasletras.com.br/
visualizar.php?idt=388548
Oriza Martins

São Paulo
SP

De 51 a 60 anos
21/02/2007 envie um e-mail para o autor

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
em parceria com os Telecentros e a Prefeitura do Município de São Paulo
©Todos os direitos reservados - 2005/2006
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Kuantika Multimídia