Portal Terceira Idade - home Prefeitura da Cidade de São Paulo Telecentros - Prefeitura de São Paulo
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Espaço Livre
Espaço Livre

Outras

voltar à página anterior

Título/Texto Autor/
Cidade/
Estado/
Idade
Postado E-mail
FICÇÃO!

A teoria e a prática não são antagônicas como parece antever, elas são o resultado da experiência adquirida nos "caminhos da vida".
Quando nos baseamos na teoria estamos mostrando "fotografias" de algo que nos chegou ao conhecimento e do qual temos um domínio gerencial, no entanto, ao utilizarmos à prática temos a necessidade de sairmos do virtual ou dos "espelhos fotográficos" montados, com labor, peça a peça do que estaria conjugado ou agregado para ser visto ou utilizado por algo ou alguém.
A FICÇÃO...
É um estado da alma ou do espírito descortinado aos que se interessar visualizá-lo. Não têm os parâmetros da cátedra, escolaridade ou do estável, não permite regras como a que conhecemos no dia-a-dia, a sua "ação" depende da mente que a produz ao bel-prazer da vontade, ela é envolvente e, ao mesmo tempo, evasiva e desagregada, se não é estável também não o é instável.
Só de uma condição ela não escapa: A FANTASIA! ORQUESTRADA SOB A BATUTA DO SER PENSANTE!
Mesmo assim, de quando em vez, a ficção se torna real em razão de outras mentes que, não a utilizando para a fantasia, conseguem produzir alguma coisa que torna a ficção palpável e crível.
Para um escritor famoso, ou mesmo principiante e desconhecido, competente ou incapaz, é muito mais fácil escrever às suas obras baseadas na teoria e na prática, todavia, quando se trata de ficção, cientifica ou não, o caminho para ela é muito mais difícil, terá que extrair da sua mente os argumentos a serem colocados nas "auto estradas" das páginas sem a ajuda das "vicinais afluentes" que são a teoria e a prática, fornecedoras dos assuntos a serem inseridos.
Portanto, na ficção criativa dos escritores de tal mister, ela terá que seguir o seu rumo em direção da última página ou do terminal da sua" estrada", pescando ou se abastecendo das fantasias da sua mente sem a ajuda externa da teoria e da prática, essas, possuidoras do acúmulo dos conhecimentos do cotidiano.
Quando se cria o fictício, a sua raiz não é explícita nem "massa de manobra" de outras experiências copiadoras, o arquivo dela está na mente do autor... Seu criador!
Para os que venham a discordar dessa minha opinião, devo dizer-lhes que a mãe de todas as coisas materiais é a ficção, razão de ser da realidade, justamente pela sua inconstância criativa voluntária. A cada ação da ficção, a realidade vai se fortalecendo e tendo aparadas às suas improbabilidades irreais que são aspiradas para o cerne da fantasia contida na obra assim referenciada.
É, também, elemento indispensável nas coisas imateriais ou espirituais, quando às suas emanações se mesclam ao imponderável sem assimilá-lo, todavia, servindo de contraste ao "todo" para facilitar ao Homem se encontrar com a divindade, não fora isso, por qual razão Cristo ensinaria por parábolas, senão, para que os seus seguidores pudessem extrair da ficção a realidade plena e exemplar a caminho de um ancoradouro de felicidade?
Resumindo...
Para um escritor criar a sua obra não fictícia ele deverá pesquisar, viajar, ler e saber o máximo possível para iniciar o seu trabalho.
O escritor de ficção nada tem para pesquisar a não ser se munir da criatividade, retirando da sua mente os dados desejados, ou seja:
"Ler" o que não está escrito "ver" o que não foi estampado ou fotografado, "ouvir" o que não lhe foi dito e, "criar" sem ter ajuda externa ou às "vicinais" que o levariam a uma délivrance da sua obra.

(aa.) S.A.BARACHO
Sebastião Antônio Baracho

Coronel Fabriciano
MG

De 61 a 70 anos
26/05/2007 envie um e-mail para o autor

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
em parceria com os Telecentros e a Prefeitura do Município de São Paulo
©Todos os direitos reservados - 2005/2006
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Kuantika Multimídia