Portal Terceira Idade - home Prefeitura da Cidade de São Paulo Telecentros - Prefeitura de São Paulo
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Espaço Livre
Espaço Livre

Outras

voltar à página anterior

Título/Texto Autor/
Cidade/
Estado/
Idade
Postado E-mail
FURTO... IMPOSSÍVEL! (OU... INSENÇÃO DE PENA!)

Num domingo, O escrivão aposentado Baracho foi chamado a delegacia para lavrar o auto de prisão em flagrante delito de um ladrão e de uma receptadora, indo para Timóteo meio aborrecido por não receber hora extra da prefeitura. Lá chegando, encontrou o delegado que estava de saída para Belo-Horizonte deixando a ordem para o nosso amigo fazer o flagrante que ele assinaria na volta.

No cartório estava uma senhora com um grande rádio toca-fitas nas mãos e de pé ao lado do soldado Enrico, o policial militar disse que o sargento Damas tinha ido buscar o ladrão na cadeia de Coronel Fabriciano e que a mulher era uma receptadora e não poderia ficar sentada por estar de castigo com o produto do furto na mão.

Baracho determinou que a mulher ocupasse uma das cadeiras e coloca-se o rádio sobre a mesa, com isso, recebendo o desagrado do soldado referido. No local estava, também, o patrão da mulher a acompanhando e dizendo que ela era uma excelente funcionária, também estavam no cartório duas testemunhas, enquanto o soldado Enrico ficava, a todo o momento, chateando a todos dizendo que ficara a noite toda atrás do ladrão e que receptador era igual a ladrão.

Em determinado momento, Baracho olhando, detalhadamente, a ocorrência policial do evento, pediu ao soldado que fosse até a casa da vitima busca-la para prestar declarações, tendo o soldado redargüido que a vítima não era preciso declarar no auto daquela prisão, só atendendo após muita insistência do nosso amigo.

Tão logo o soldado saiu com uma das viaturas, Baracho mandou a receptadora e as testemunhas irem embora lhes dizendo que não ia fazer nenhum flagrante, tendo a mulher dito que tinha que viajar para São Paulo sem data marcada para o retorno, ocasião que Baracho lhe disse que ela não seria indiciada.

Como previra, pouco tempo depois, o soldado voltou dizendo que a vítima não quisera acompanhá-lo até a delegacia e ele não teve como forçá-la, desviando o olhar perguntou: "Cadê a receptadora e as testemunhas?" Foram liberadas! Respondeu Baracho. Muito nervoso Enric o pediu para usar o telefone e disse ao seu superior, do outro lado da linha, talvez um capitão: "Baracho soltou à receptadora e mandou as testemunhas saírem, só falta ele soltar o ladrão quando o sargento chegar".

Saindo da sala, Baracho não escutou o resto da conversa, voltando depois quando Enrico já estava na calçada à espera do sargento, que chegou logo depois, ao subirem as escadas, Baracho ouviu Enrico contar o caso e o sargento responder: "Conheço muito bem a "família Baracho", se ele soltou foi porque nós erramos em alguma coisa".

Ao entrar no cartório, o sargento disse que não teve como trazer o preso por não ter encontrado o carcereiro, com Baracho lhe dizendo: "Dê-me a autorização lhe entregue pelo delegado, que eu soltarei o "preso", já que estou indo para Coronel Fabriciano", sendo atendido pelo sargento.

Quando o sargento ia sair, Baracho lhe contou a razão de não ter feito o flagrante, sem permitir que o soldado Enrico escutasse, dizendo ao graduado o seguinte: Não houve prisão em flagrante de furto, nem houve consequentemente, receptação, porque a vitima é mãe do conduzido que pegou o rádio em casa de ambos às escondidas, poderíamos ter feito o inquérito se a vitima tivesse comparecido, todavia, ela recusou a vir, dessa forma, o artigo 155 do Código Penal diz que ele é isento de pena por ser filho da vitima.

Satisfeito, o sargento foi embora sem comentar nada com ninguém. No dia seguinte, quando Baracho chegou à delegacia, o delegado, bastante nervoso, o dispensou alegando ter sido desobedecido, mas, teve que pedir desculpas ao ver, em letras vermelhas e garrafais, os motivos da não feitura do flagrante, lá inserida limitando-se a dizer: "Desculpe-me, não tinha visto, anteriormente, a ocorrência".

(aa.) S.A. BARACHO.
conanbaracho@uol.com.br
Sebastião Antônio Baracho

Coronel Fabriciano
MG

De 71 a 80 anos
02/10/2007 envie um e-mail para o autor

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
em parceria com os Telecentros e a Prefeitura do Município de São Paulo
©Todos os direitos reservados - 2005/2006
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Kuantika Multimídia