Portal Terceira Idade - home Prefeitura da Cidade de São Paulo Telecentros - Prefeitura de São Paulo
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Espaço Livre
Espaço Livre
Trabalho: 167

voltar à página anterior

ESTÓRIAS

Título/Texto
Fale com
o autor
do trabalho

E-mail

envie um e-mail para o autor

Dados do Autor/
Data de Postagem
MÊS DE MAIO... SUBLIME MÊS DE MAIO
foto ilustrativa enviada pelo(a) autor(a) do textoUm dia perguntei à minha mãe sobre felicidade e ela, sábia - na sua santa ignorância das letras e modernismos-, disse que a felicidade era vizinha dos quarenta, sessenta, oitenta anos de idade e que eu não tivesse pressa. Antes de tê-la sempre comigo precisava pagar um preço, porque nada se recebe de graça na vida, a não ser a vida. É claro que enfeito, às vezes, a forma do que ela disse, mas na essência era o que ela queria dizer, porque já era idosa quando lhe perguntei.

Fiquei, então, prestando atenção quanto custava ser feliz. Às vezes era feliz, mas não sabia como diz a letra da música.

Meu estilingue era a felicidade. A bicicleta velha que ganhei quando criança, também era felicidade. O sorriso da primeira filha, do primeiro neto, do primeiro bisneto e por aí a fora com o sorriso de todos os outros..

Mãe, como você tinha razão. Sei que, hoje, você tem o maior tempo do mundo prá ler o que escrevo, mas eu não!

Então, serei rápido, ao fazer um pequeno registro, neste mês de maio, talvez o único mês em que os filhos se lembram da Mãe, com um carinho maior.

Descobri Mãe, que quando a idade chega é que a felicidade se torna vizinha da gente.

Quando essa independência chega, como é bom: você paga o que come e o que veste, o ingresso do salão onde vai dançar com sua grande companheira de todas as horas fáceis ou difíceis, rever amigos ou fazer novos amigos idosos, paga a mensalidade do seu grupo de convivência, compra a sua bengala ou o seu boné.

Não tenta o suicídio, já se cansou de fumar porcarias, do álcool, trocou a mochila por um note book, assiste o canal da Playboy não mais escondidinho, enfim, somos autores do dia de hoje.

Somos felizes, enfim!
Não somos velhos. Somos idosos. Diferença? Claro que existe!
Na folhinha do velho só tem ONTENS.
Na minha folhinha só tem um pouquinho do HOJE e muito de AMANHÃ.
O velho tem uma coleção de saudades...
Eu tenho planos.

Viu só, Mãe, como lembrei do que você disse?
Tem outras coisas, mas já pertencem ao passado, porque eram ensinamentos que possibilitaram eu chegar até aqui e me lembrar de você, neste sublime mês de maio.

Donato Ramos
donatoramos@uol.com.br
Donato Ramos
Florianópolis
SC
De 71 a 80 anos
20/04/2008
e-mail disponível e-mail disponível
autor não divulgou e-mail autor não divulgou seu e-mail

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
em parceria com os Telecentros e a Prefeitura do Município de São Paulo
©Todos os direitos reservados - 2005/2006
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Kuantika Multimídia