Portal no Facebook Portal no Twitter Portal no YouTube Blog do Portal Portal nas Redes Sociais

Portal Terceira Idade
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Notícias do Cidadão
Notícias

Carnaval - História
Carnaval 10.000 a.C.
Você sabia que os primeiros sinais do que mais tarde se chamaria Carnaval aconteceram dez mil anos antes de Cristo, entre os povos que habitavam as margens do rio Nilo, no Egito?
Por: Tony Bernstein
Coordenadora Geral do Portal Terceira Idade, Pedagoga
e Jornalista (API, Assoc. Paulista de Imprensa: Reg. 2152)
Fale com o colunistaFale com o colunista
Fale com o colunista
foto notícias

Fotomontagem mostra o arco do Sambódromo do Rio de Janeiro ao lado das pirâmides do Egito. À esquerda, camelo observa foliões festejando o carnaval

arnaval: para os foliões ele é imperdível. Há os que só gostam de ficar assistindo pela TV, os que o ignoram e os que não querem nem ouvir o seu barulho. Mas quando e onde surgiu essa festa, que confraterniza tantas pessoas nesta época do ano?

Egito, 10.000 a.C.

As origens do Carnaval são polêmicas. Não existe maneira de comprovar o nascimento do Carnaval, mas, através de pesquisas sobre a evolução do homem, sabemos que os primeiros sinais dessa celebração surgiram de cultos agrários, dez mil anos antes de Cristo, com os povos que habitavam as margens do rio Nilo, no Egito.

Os homens daquela época entravam em estado de utopia através da comemoração. No momento da festa, se desligavam das coisas ruins que concretamente tinham ido embora e saudavam o que lhes parecia um bem (como por exemplo, o nascimento e o por do sol, o início da primavera e o término das enchentes no rio Nilo) com danças e cânticos para espantar as forças negativas que prejudicavam o plantio.

Brasil, século 19

No Brasil, o Carnaval é uma festa nacional que adquiriu características distintas em cada região. O início dos festejos foi o Entrudo (festa popular), introduzido no país pelos navegadores portugueses. Originário da Índia, consistia em uma “guerra” de talco e ovos jogados do alto das casas ou nas praças.

Na Bahia e no Rio de Janeiro do século 19, outra brincadeira dos farristas era agarrar um desafortunado qualquer – marcado pela má sorte – tirar suas roupas, dar-lhe um banho frio e devolvê-lo à rua.

Entre 1870 e 1890, o Entrudo começou a ser substituído pelo Carnaval, com bailes em clubes e desfiles nas ruas e fantasias inspiradas em modelos europeus, com alegorias importadas da Itália. Surgiram os Fantoches de Euterpe, a Cruz Vermelha e Os Inocentes em Progresso. A colombina, o pierrô e o Rei Momo, de origem européia, também passaram a fazer parte do carnaval brasileiro.

Costumes europeus

Em São Paulo, no final do século 19, as fantasias eram a última moda da festa na cidade, uma tradição importada do carnaval de Veneza pelos nascentes “barões do café” que procuravam imitar os modos e os costumes europeus. E, ao definir seu público como a “boa rapaziada”, deixava claro: Carnaval não era festa para pobres, nem “moças de boa família”.

A convivência entre pobres e ricos nas ruas do Triângulo (Rua Direita, XV de Novembro e São Bento – Centro Velho), no entanto, durou pouco tempo. Em 1914, a burguesia paulistana já havia transferido o corso (desfile) para a Avenida Paulista, no alto do espigão que divide a cidade.

Surge, então, um grupo de 20 adolescentes da Barra Funda, tendo à frente o jovem negro Dionísio Barbosa, que chega às ruas do centro de São Paulo, dançando e balançando chocalhos feitos com chapinhas de metal pregadas em ripas de madeira. O grupo se transforma mais tarde na Escola de Samba Camisa Verde e Branco, devido às cores das fantasias de seus integrantes.

A história do Carnaval não tem fim.Todos os anos ela se renova e tem como principal personagem um povo que, independentemente dos problemas corriqueiros e das dificuldades sociais e políticas do nosso país, tem uma imensa alegria e um colorido deslumbrante. O que torna essa festa em um sonho que se transforma numa realidade linda e contagiante.


Fotomontagem: Portal Terceira Idade
Mais sobre o assunto na internet
Wikipédia, a enciclopédia livre
Carnaval do Brasil
Origens brasileiras, Rei Momo, a indústria do carnaval
Globo.com > G1 > Carnaval 2016
Cobertura completa do Carnaval 2016
Blocos de rua, musas, desfiles e apuração das escolas de samba em todo o Brasil
Mais sobre o assunto no Portal Terceira Idade
Notícias > Carnaval - Homenagem
Homenagem a Chiquinha Gonzaga
Autora da marchinha carnavalesca “Ó Abre Alas”, em 1899, foi a primeira mulher a se destacar como compositora na história da música popular brasileira, ultrapassando todas as convenções de sua época
Notícias > Anteriores > Carnaval - Ala das Baianas
Aos 79 anos, Dona Laurentina desfila com entusiasmo na ala das baianas
Uma das primeiras a integrar a ala das baianas da escola Independente de Boa Vista, em Cariacica, no Espírito Santo, ela confessa que se emociona muito todos os anos na época do carnaval
Notícias > Anteriores > Carnaval
Girafas dançam Frevo no carnaval do Recife
Desde 1910, oitenta dos principais blocos criados na cidade de Olinda reverenciam animais: de bacalhau e siris a elefantes, zebras e girafas

Outras Notícias

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
©Todos os direitos reservados
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Auika - Web & Graphic Design