Portal no Facebook Portal no Twitter Portal no YouTube Blog do Portal Portal nas Redes Sociais

Confira a campanha e apoie! Obrigado!

Confira!

Cidadania e Direitos da 3a Idade... Entrevistas: Mercado de Trabalho, Transportes, Economia... Entrevistas: Saúde e Bem-estar... Reportagens... Confira programação completa... Confira!

Portal Terceira Idade
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Notícias do Cidadão
Notícias

Educação na 3ª idade - Iniciativa
“Carregar uma mochila para a escola sempre foi meu sonho”
A sul-coreana Hwang Wolgeum, 70, nunca soube ler e nem escrever. Ela e outras alunas, com idades entre 56 e 80 anos, estão preenchendo as cadeiras vazias de uma escola local devido à baixa natalidade do país
Jo Tozzatti
Coordenadora de redação e interatividade do Portal Terceira Idade
Fale com o colunistaFale com o colunista
Fale com o colunista
Nunca é tarde para aprender...

Hwang Wolgeum (à esq.), 70, ao lado de duas colegas, uma com 64 e outra com 75 anos, na escola em Gangjin

uma pequena aldeia no interior da Coreia do Sul, Hwang Wolgeum, aluna da primeira série, vai à escola acompanhada de três outras meninas, todas de sua família: uma está no jardim da infância, outra na terceira série e outra na quinta.

Um “pequeno detalhe” torna a cena peculiar: Hwang tem 70 anos – e suas colegas são suas netas.

Analfabeta durante toda a vida, ela lembra que se escondia atrás de uma árvore e chorava quando via suas amigas indo para a escola, há 60 anos. Enquanto outras crianças da aldeia aprendiam a ler e escrever, ela ficava em casa tratando de porcos, colhendo lenha e cuidando dos irmãos menores. Mais tarde ela criou seis filhos, e mandou todos para o colégio ou a faculdade.

Mas ela sempre sofreu por não poder fazer a mesma coisa que outras mães faziam. “Escrever cartas para meus filhos, era o que eu mais sonhava”, afirma Hwang.

Baixa taxa de natalidade

Hwang (à esq), com suas colegas, no ônibus da escolaO que Hwang nunca imaginou era que a taxa de natalidade do país iria ajudá-la a realizar seu sonho. Despencando, nas últimas décadas, para menos de um filho por mulher no ano passado, a natalidade na Coreia do Sul tem um dos índices mais baixos do mundo. As áreas mais atingidas são os municípios rurais, onde jovens casais migram em massa para as cidades buscando empregos mais bem pagos.

Como muitas escolas rurais, a Elementar Daegu, na aldeia de Hwang, estava ficando sem crianças em idade escolar e precisava desesperadamente encher as classes de alunos.

Já quase sem esperança, o diretor da escola teve uma ideia criativa: matricular moradores mais velhos que quisessem aprender a ler e escrever.

Hwang e mais sete mulheres, de 56 a 80 anos, se candidataram às vagas, e pelo menos outras quatro pediram para ser matriculadas no ano que vem.

Chorando de emoção

Hwang começou as aulas no mês passado. “Eu não conseguia acreditar que aquilo realmente estava acontecendo comigo”, disse ela. “Carregar uma mochila para a escola sempre foi meu sonho”, completou, com lágrimas de emoção.

Perdida no metrô

Ser analfabeta lhe causou muitas humilhações na vida. Postar pacotes sempre foi um problema porque ela não sabia escrever os endereços. Anos atrás, ela e o marido, Chae Jan-ho, 72, estavam visitando seu filho em Seul quando se separaram no metrô movimentado. Hwang não sabia ler nenhuma das placas e ficou perdida até que um desconhecido a ajudou a encontrar o caminho.

Agora ela e seus colegas estudantes estão decididos a compensar o tempo perdido. “Elas estão ansiosas para aprender”, disse Jo Yoon-jeaong, 24, professor da escola, sobre seus alunos da primeira série. “Provavelmente são os únicos estudantes que pedem mais lição de casa”.

Colega de Hwang serve doces às suas amiguinhas mais jovensSofá, colchão aquecido e doces

Ao contrário de outras classes, a dos primeiranistas tem um sofá e um colchão aquecido. Nos intervalos, as mulheres idosas se sentam no colchão e cobrem os pés com cobertores. Elas também têm um cesto de doces para as da segunda série, ao lado, que às vezes vêm visitar.

Planos para o futuro

Hwang agora já tem outros planos. “Vou me candidatar a presidente da sociedade de mulheres da aldeia”, comenta. “As pessoas me pediam para disputar, mas eu sempre recusei. É um cargo para alguém que sabe ler e escrever”, finaliza.


Fotos/ilustrações: The New York Times / divulgação
Mais sobre o assunto na internet
G1 > Educação > Notícias > Faculdade na terceira idade
Volta às aulas aos 90 anos: os idosos brasileiros que decidiram ir à faculdade
No Brasil, há 18,9 mil universitários que possuem entre 60 e 64 anos e mais 7,8 mil acima dos 65
Mais sobre o assunto no Portal Terceira Idade
Notícias > Anteriores > Educação na 3ª idade - Exemplo (vídeo)
“Nunca é tarde para aprender!”
A afirmação é da queniana Priscilla Sitienei, 90 anos, considerada a mais velha estudante de uma escola primária no mundo

Outras Notícias

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
©Todos os direitos reservados
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Auika - Web & Graphic Design