Portal no Facebook Portal no Twitter Portal no YouTube Blog do Portal Portal nas Redes Sociais

Portal Terceira Idade
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Notícias do Cidadão
Notícias

Anteriores

05/12/2014: Comportamento - Preconceito
Homossexualidade na 3ª idade: um problema de duplo preconceito
Pesquisa mostra que, enquanto a depressão entre idosos heterossexuais (homens e mulheres) é de 13,5%, entre as lésbicas esse número sobre para 24% e, entre os gays, chega a 30%
Por: Jo Tozzatti
Coordenadora de redação e interatividade do Portal
Fale com o colunistaFale com o colunista
Fale com o colunista
foto notícias
O antropólogo Luiz Mott, 68, após 30 anos de homossexualidade assumida, vive uma união homoafetiva há dez anos e diz encarar muito bem o envelhecimento
esde o tempo que o homem primitivo desceu das árvores, há milhares de anos, e “evoluiu”, adquiriu uma série de qualidades. E defeitos... Um deles – talvez o pior –, o preconceito. Da cor da pele à religião, de preferências políticas à escolha do time de futebol, gordos, magros, pobres, velhos, enfim, não faltam motivos para o “homo sapiens” ter preconceitos. E um dos mais tristes e injustos na sociedade atual é o preconceito contra os homossexuais.

Este ganha um caráter duplamente preocupante quando se trata da homossexualidade na 3ª idade. Sim, o homossexual também envelhece...

No último Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia, realizado entre 29 de abril e 3 de maio de 2014, no Pará, a psiquiatra Carmita Abdo, professora da USP (Universidade de São Paulo), divulgou dados de uma pesquisa mostrando que o preconceito e o descaso que atingem os idosos brasileiros se tornam ainda mais graves no caso dos homossexuais.

Isso implicaria, segundo a especialista, em índices mais elevados de depressão nesse grupo: enquanto a estimativa de depressão entre idosos heterossexuais (homens e mulheres) é de 13,5%, entre as lésbicas esse número sobre para 24% e, entre os gays, chega a 30%.

“Saindo do armário”

Quando Luiz Mott (foto) era adolescente, nos anos 1960, ouviu de um professor de história que o Império Romano tinha caído por causa da homossexualidade de imperadores cruéis e devassos. Na mesma época, disseram-lhe, também, que todo homossexual estaria condenado à solidão na velhice, “vegetando sozinho e abandonado, em um quartinho sombrio de uma pensão de quinta categoria”.

Hoje, após 30 anos de homossexualidade assumida e aos 68 de idade, o antropólogo Luiz Mott acredita que esses antigos ensinamentos tinham por propósito apenas assustar os jovens tentados a “sair do armário” (assumir a homossexualidade). Mestre pela Universidade de Paris-Sorbonne e professor aposentado da Universidade Federal da Bahia, Mott vive uma união homoafetiva há dez anos e garante que está lidando muito bem com o envelhecimento.

“Voltando para o armário”

Não se pode negar, porém, que os homossexuais ainda enfrentam um ambiente que lhes impõe muitos obstáculos a uma velhice tranquila e digna. “É evidente que a homofobia traz grandes conflitos internos e externos, que acabam por afastar as pessoas”, diz Ricardo Aguieiras.

Segundo o escritor, muitos idosos e idosas LGBTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) são obrigados a “voltar para o armário” quando envelhecem, pois precisam receber cuidados de pessoas homofóbicas. “Basta ligar para vários asilos e casas de repouso do país e perguntar se lá existe algum gay, lésbica ou travesti idoso morando. A resposta será sempre ‘não’”, afirma.

Estatuto do Idoso

Um projeto de lei – 7524/2014 –, elaborado pelo deputado federal pelo PSOL/RJ, Jean Wyllys, atualmente aguardando designação de relator na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, altera ligeiramente o texto do Estatuto de Idoso para garantir que as entidades que desenvolvam programas de institucionalização de longa permanência aos idosos – como as casas de repouso, por exemplo – exerçam suas funções “de modo a preservar a dignidade dessas pessoas, respeitando-as independentemente de orientação sexual ou identidade de gênero”.

Vamos torcer para que a próxima evolução do homem – um “homo um pouco mais sapiens” – venha sem preconceitos...

Fotos: arquivo pessoal / divulgação

Mais sobre o assunto na internet
Globo.com > Sociedade
Gays idosos no país são mais propensos a sofrer de depressão

Pesquisa mostra que 30% dos homossexuais do sexo masculino com idade avançada no Brasil ficam deprimidos
http://oglobo.globo.com/sociedade/gays-idosos-no-pais-sao-mais-propensos-sofrer-de-depressao-12358958
Mais sobre o assunto no Portal Terceira Idade
Sexualidade na Terceira Idade > Preconceito
Amor: sentimento incondicional
Entender e aceitar a si mesmo é o primeiro passo para amar livremente, sem culpas ou preconceitos

Outras Notícias

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
em parceria com os Telecentros e a Prefeitura do Município de São Paulo
©Todos os direitos reservados - 2005/2006
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Kuantika Multimídia