“Quanto riso! Oh! Quanta alegria! Mais de mil palhaços no salão...”

Portal no Facebook Portal no Twitter Portal no YouTube Blog do Portal Portal nas Redes Sociais

Portal Terceira Idade
Notícias do Cidadão Notícias do Cidadão Espaço Livre Espaço Livre Shows e Eventos Shows e Eventos Cursos e Atividades Cursos e Atividades Parcerias Parcerias Direitos 3a.Idade Direitos 3a.Idade

Diálogo Aberto

Enquete "Você acha
que...?"
Enquete
Cadastre-se Cadastre-se
no Portal
3a.Idade!
Busca Procurando
algo no site?
Busca
Pesquisa Links para
Pesquisa
Mural de Trocas Anuncie
seu produto!
Mural
de Trocas
Fale Conosco Dúvidas?
Sugestões?
Críticas?

Fale
Conosco
Dicas de Internet "Download"?
"Browser"?
Dicas
de Internet

Colméias da 3a.Idade
Colméias da 3a.Idade
Escolha o seu assunto e participe de nossas salas de chat temáticas

Notícias do Cidadão
Notícias

Especial Carnaval - Marchinhas
“Quanto riso! Oh! Quanta alegria! Mais de mil palhaços no salão...”
O trecho de “Máscara Negra” (Dalva de Oliveira, 1967) nos faz ficar com saudade das marchinhas de Carnaval daquela época, do confete, da serpentina e das inocentes máscaras de pirata...
Por: Karol Bernstein
Coordenador de Webdesign do Portal Terceira Idade
e Publicitário (API, Assoc. Paulista de Imprensa: Reg. 2150)
Fale com o colunistaFale com o colunista
Fale com o colunista

Clique no vídeo acima e mate a saudade relembrando trechos de marchinhas antigas de Carnaval, como:
"Máscara Negra", "Mamãe, eu quero", "Cabeleira do Zezé", "Ó Abre Alas" e "O teu cabelo não nega"

Dica: Para fechar o mini-banner publicitário que eventualmente aparecer sobre a imagem do vídeo
alguns instantes logo após o seu início, clique no "x" do canto superior direito do mini-banner
uem não se lembra (pelo menos aqueles com mais de 40 anos), dos Carnavais da Av. São João dos anos 60? “Brincar na avenida” significava apenas ficar andando e dançando pela Av. São João, em São Paulo, o dia todo até o entardecer, soltando confete e serpentina, com uma máscara de pirata no rosto, ao som das doces marchinhas de carnaval daquela época, em completa confraternização com todos os que também ali estavam brincando.

Ninguém fazia mal a ninguém (não havia o medo que temos hoje de ladrões e trombadinhas). O “maior perigo” eram os “engraçadinhos” que usavam lança-perfume (até que fossem proibidos, pois muitos usavam líquidos tóxicos em vez de água).

Memórias

foto notíciasQuando chegava a noite, meu pai me puxava para a calçada (naquela época eu tinha 8 ou 9 anos) para dar lugar aos rapazes da prefeitura que começavam a isolar a avenida com cordões. Era chegada a hora de as Escolas de Samba descerem a avenida em direção ao Vale do Anhangabaú.

Todos ficavam, bem comportados, admirando o desfile (na época, gratuito e aberto ao público), com os fantásticos carros alegóricos e as maravilhosas fantasias. Que diferença entre o Carnaval do século 21 e o dos anos 60...

O Carnaval dos nossos filhos e netos, hoje, se resume a acompanhar os desfiles pela TV (alguns poucos podem assisti-lo ao vivo nos Sambódromos), ir à bailes carnavalescos em clubes fechados (poucos deles com “ambientes familiares”...), ou, o que a maioria acaba fazendo, “fugir do carnaval” e ir à praia mais próxima, e passar todos os dias do evento longe da folia...

É uma pena que, hoje, a folia não seja mais pular (literalmente) o carnaval, com seus amigos e familiares, ao som daquelas deliciosas marchinhas, esperando ansiosamente pela votação do Rei Momo do ano.

Saudade não tem idade

Mas, como saudade não tem idade, e para relembrar um pouco aquelas músicas (que não me saem da cabeça desde que comecei a escrever esta matéria), fizemos uma pequena coletânea de trechos das marchinhas que “fizeram a cabeça” da gente naquela época. Clique no vídeo acima para ouvir as músicas.

Abaixo, alguns trechos das principais marchinhas da época:


Máscara Negra (Zé Keti-Pereira Mattos):
Quanto riso oh quanta alegria. Mais de mil palhaços no salão. Arlequim está chorando pelo amor da...

Mamãe Eu Quero (Carmen Miranda):
Mamãe eu quero, mamãe eu quero, mamãe eu quero mamar! Dá a chupeta, dá a chupeta, ai, dá a chupeta...

Bandeira Branca (Dalva de Oliveira):
Bandeira branca, amor, não posso mais. Pela saudade, que me invade eu peço paz...

Cabeleira do Zezé (João Roberto Kelly):
Olha a cabeleira do zezé. Será que ele é? Será que ele é? Será que ele é bossa nova? Será que ele...

O teu Cabelo não Nega (Lamartine Babo):
O teu cabelo não nega, mulata, porque és mulata na cor, mas como a cor não pega, mulata. Mulata, eu...

Aurora (Mário Lago):
Se você fosse sincera, Ô ô ô ô, Aurora. Veja só que bom que era, Ô ô ô ô, Aurora. Um lindo...

Me Dá Um Dinheiro Aí (Moacyr Franco):
Hei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí. Hei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá...

Pastorinhas (Noel Rosa):
A estrela d'alva no céu desponta. E a lua anda tonta com tamanho esplendor. E as pastorinhas pra...

Abre Alas (Chiquinha Gonzaga):
Ó abre alas, que eu quero passar. Ó abre alas, que eu quero passar. Eu sou da lira, não posso negar...

Fotos: Acervo Prefeitura de São Paulo / divulgação
Áudios: divulgação
Mais sobre o assunto na internet
Guia da Semana > São Paulo > Notícias > Carnaval 2018
Não vai viajar? Confira o que fazer em São Paulo durante o Carnaval 2018
De bloquinhos de rua a exposições com entrada gratuita, São Paulo tem programa para todos os gostos!
Vagalume > MPB > Carnaval
Marchinhas de Carnaval
Para relembrar "Mamãe, eu quero", "Cabeleira do Zezé", entre outras
Mais sobre o assunto no Portal Terceira Idade
Notícias > Especial Carnaval - Homenagem (vídeo)
“O que é que a baiana tem?”
Conhecida por seus exóticos chapéus com frutas, Carmen Miranda, que completaria 109 anos no dia 9 de fevereiro, chegou a ser a atriz mais bem paga de Hollywood com um personagem que entraria no imaginário popular do século 20
Notícias > Anteriores > Carnaval - História
Carnaval 10.000 a.C.
Você sabia que os primeiros sinais do que mais tarde se chamaria Carnaval aconteceram dez mil anos antes de Cristo, entre os povos que habitavam as margens do rio Nilo, no Egito?
Notícias > Anteriores > Carnaval - Homenagem
Homenagem a Chiquinha Gonzaga
Autora da marchinha carnavalesca “Ó Abre Alas”, em 1899, foi a primeira mulher a se destacar como compositora na história da música popular brasileira, ultrapassando todas as convenções de sua época

Outras Notícias

Portal Terceira Idade® é uma realização da
Associação Cultural Cidadão Brasil
©Todos os direitos reservados
Desenvolvimento, Webdesign e Sistemas: Auika - Web & Graphic Design